Archive for the ‘Novas Bandas’ Category

Mundo Verde: excelente aposta folk do vale catarinense

outubro 16, 2008

Santa Catarina pode se revelar um belo celeiro folk brasileiro. Já nos anos 1980 tivemos a experiência rock rural do Expresso Rural. Um pouco depois, já nos fins dos anos 1990 a aparição meteórica, porém extremamente marcante dos Pistoleiros, o alt country do Superbug e mais recentemente a aparição do excelente Verano, de Florianópolis. Talvez os vastos campos e paisagens bucólicas de Santa Catarina, inspirem mais gente nesta proposta. Do Vale do Itajaí, próximo a Blumenau, o quarteto da banda Mundo Verde nos enche de orgulho para mais uma bela aposta do folk catarina neste ano de 2008. 

O projeto é antigo, mas somente há pouco mais de um ano, que o grupo fechou certinho. O som é um folk recheado de influências que vão desde Johnny Cash, Crosby, Stills, Nash and Young, Gomez, Nado Reis e com um pouco de Pink Floyd. O vocal grave do vocalista Marlon até lembra um pouco Zé Ramalho, mas ao longo das músicas, a qualidade melódica e instrumental do grupo se sobressai. 

Resumindo um pouco a história da banda, em 2001, Marlon Janke e Jony Tomelin, com um punhado de músicas próprias, iniciaram uma parceria. Em 2003 surgiu a idéia de montar uma banda com as músicas e além de Marlon (baixo e vocal), e Jony (guitarra), entraram na banda, Sabine Schweder (vocais) e Flávio Silva (bateria). No repertório, músicas próprias e alguns covers que iam de Led Zeppelin à Secos e Molhados.  Tempos depois, as obrigações com estudos, fizeram Jony, Flávio e Sabine sairem da banda.

Com o nome de Casulo Amarelo, a banda ficou conhecida entre 2004 e 2007, com uma formação maior e duas garotas nos vocais. Na época a tônica da Casulo era Led Zeppelin cover. No final de 2005, Jony e Marlon gravaram uma demo acustica em casa, no intuito de não perder todo o material que havia sido criado. A gravação durou cerca de tres semanas, e feita de forma bem artesanal. Com 10 músicas surge a demo acústica do Mundoverde.  No final de 2006 foi gravada mais uma demo acústica, agora com a ajuda de Flavio da Silva nas percursões, 

A retomada das músicas próprias só se deram no fim de 2006, com o fim da Casulo Amarelo, e a volta de Jony na cidade. Rapidamente formou-se a banda com: Marlon (vocais, viola,harmonica, trompete); Sabine (vocais); Jony (guitarra e vocais); Beto Schweder (Contrabaixo e flauta transversal, atualmente com a PARACHAMAS) e Tiago Cardozo (Bateria).  

Em janeiro de 2007 a banda gravou ao vivo uma demo no CREMA STUDIO, de Timbó,  com quatro músicas.  
Em outubro de 2007, Beto foi morar em Blumenau  e se dedicou inteiramente ao PARACHAMAS. Em seu lugar entrou Daniel da Silva,  no baixo. A formação atual conta com Marlon(vocais,harmonica,trompete e violão 12); Jony (vocais e guitarra); Daniel (contrabaixo) e Tiago (bateria). 

CD Saindo do forno

Depois de tanta história, a banda está finalizando o primeiro disco. Em janeiro de 2008 o MundoVerde foi atrás d gravou CD no Crema Studio, em Timbó. O lançamento é previsto para 09 de novembro, quando a banda tem uma apresentação prevista para a Fundação Cultural de Indaial. Segundo a banda, o CD terá uma varidade grande de influências, que vão do country ao prog, passando pelo rock e claro, o folk. Com o CD na mão, Mundo Verde quer galgar novos rumos para a banda. Primeiro é sair do circuito Indaial, Timbó e Blumenau, tocando em outros lugares do Estado e até fora dele. Orgulhosos de suas músicas, o pessoal avisa que tem três horas de músicas próprias. 

  
Próximas datas de shows
 
25 de Outubro (Sábado)
Mistureba Rock no Taverna´s Bar – (Indaial)
 
08 de Novembro (Sábado)
Workshow Ariel Coelho Indaial

09 de Novembro (Domingo)
Fundação Cultural de Indaial- Prévia do CD
 
29 de Novembro (Sábado)
Lançamento do cd do Circo Acústico.

 

Conheça Mundo Verde

Myspace:
http://www.myspace.com/bandamundoverde
Fotolog da Banda:
http://www.fotolog.com/somdomundoverde 
Comunidade no Orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=10963102

Anúncios

O rock pulsante e melódico dos Valentinos

setembro 25, 2008

De vez em quando a cidade de Porto Alegre produz uma leva de bandas. Algumas tem sobrevida, outras morrem com o tempo. Já não é de hoje que escuto que POA não é mais como antigamente, mas nem sempre podemos subestimar um estado e uma cidade que volta e meia nos manda boas bandas. Valentinos é uma que surgiu neste ano e no primeiro trabalho disponível na web, esses caras mostram um rock and roll potente e pegajoso. 

A banda foi formada pelos amigos, que em comum cultivam o gosto pelo melhor do rock and roll. Foppa na guitarra e backing vocal, Jonts nos vocais e guitarra base, Penha no baixo e Wodarski juntaram suas influências como Supergrass, Oasis, Clash, The Jams e outras boas referências, em músicas próprias em português, um bom rock com boas melodias e muita sinceridade.  Por estes e outros motivos os Valentinos são uma das grandes promessas do rock gaúcho, atingindo uma respeitosa posição entre outras bandas e o público em geral. 

Segundo a banda, a prioridade agora é dar um gás para gravação de novos trabalhos e buscar novas terras para difundir o som produzido por eles. Santa Catarina não está descartada. “Gostaríamos muito de tocar por ai, só entrar em contato para gente fechar alguma parceria”, revela um dos integrantes por e-mail. 

 

CONHEÇA VALENTINOS:

http://www.myspace.com/valentinosvalentinos

Raul! nova banda do cenário de BC

setembro 2, 2008

foto de banda_raul em 01/09/08

O chapa Flávio Roberto (com a guita preta na foto), capo mor da revista Válvula Rock, também está se aventurando no mundo róque da vida. A band Raul! formada este ano em Itajaí/Balneário Camboriú, está dando os primeiros passos e segundo Flávio, a aposta é em músicas de própria autoria.

A banda conta com o jornalista Kadw no baixo/vocal; o próprio Flávio Roberto na guitarra/voz, Anderson Oliveira na guitarra e Dalazen na bateria. Na imagem acima, Raul! em seu primeiro show – dia 13 de julho de 2008. No Open Bar em Balneário Camboriú. Dia Mundial do Rock!

Já o nome não deve ser muito segredo. Qual show de róque que você já foi e não teve nenhum carinha gritando: “-Toca Raul!!!” ou “Toca Ramones!!!”; bom, como botar o nome de Ramones numa banda não rola mais, a não ser que seja de cover, o negócio mesmo foi colocar o nome de Raul e ai se alguém gritar o famoso “Toca Raul!!!” a banda catarina pelo menos vai fazer o seu papel: tocar suas próprias músicas. Boa sacada.

Agenda:

14/09 – Balneário Camboriú – Festival CashCore – Open Bar.
16/11 – Balneário Camboriú – c/ Matanza (RJ) – JB Pub.

Myspace:
http://www.myspace.com/bandaraul

Youtube:
http://br.youtube.com/bandaraul

Qualidade pop e boas melodias da banda Galaxie

agosto 12, 2008

Nos últimos anos a cidade de Rio do Su, em Santa Catarina , vem revelado boas bandas para o cenário independente catarinense. Já cito aqui as principais, como Liss, Dramaphones, Apicultores Clandestinos e Costeletas. A nova surpresa se chama Galaxie. Alusivo ao clássico veículo nacional lançado pela Ford em 1967, a banda Galaxie foi romada em janeiro de 2007. Segundo o press release dos caras, o grupo tem objetivo de “dicotomizar” os sucessos das grandes bandas do passado com características atuais.

O som é um pop moderno com levadas clássicas do rock e com boas melodias. No primeiro CD, Porta da Frente, disponível no Trama Virtual e no Myspace, a banda destaca suas influências de blues rock que foram eternizadas no mundo da música com gente como Mark Knopler, Eric Clapton, J.J Cale e Jeff Beck. As letras em portuguê primam para temas de relacionamento, vida comum, desafios, enfim, não falam bobagens em suas canções e o vocal é bom, segurando bem as bases harmônicas das guitarras.

A Galaxie é formada por jovens músicos de Rio do Sul, como Tim Bezerra, vocalista e na guitarra base, Aquiles Contesini na guitarra solo, Sérgio Oliveira Jr. no baixo e Tiago Apolinário na batera. O CD da Galaxie conta com 12 músicas e atualmente o grupo está focado apenas na divulgação do excelente trabalho desenvolvido no Alto Vale.

O trabalho é uma grande aposta para o rock catarinense deste ano. Um som mais sofisticado e para um público um pouco mais seleto. As letras em português muitas vezes confunde o estilo, já que o som é totalmente voltado para os grandes mestres já citados acima, mesmo assim, Galaxie não perde de ter o seu próprio estilo, muitas vezes ainda pouco difundido entre roqueiros catarinas. Bom, eu adoro, afinal, cresci sob praticamente as mesmas influências desses caras. Um trabalho que deve ter uma merecida atenção por parte do novo público que anda ouvindo rock.

A melhor forma do leitor entender do que eu estou falando é acessar os inúmeros endereços que a banda possuí na internet, onde é possível achar muita coisa bacana e várias músicas para download gratuito. Dê um confere nos links.

Trama Virtual:

http://tramavirtual.uol.com.br/artista.jsp?id=84961

My Space:

www.myspace.com/bandagalaxie

Site oficial:

www.bandagalaxie.com.br

Mundo47 ajuda na criação de nova banda no Planalto

agosto 5, 2008

A história é boa e o Viktor Zanini, baterista da banda Duques e Gafanhotos, de Santa Cecília, Planalto de Santa Catarina, me passou a história da nova banda que ele participa, a Bomba Saturno. Segundo o Viktor, a Duques e Gafanhotos deu um time e nessa parada, no blog Mundo47, Andy Ricardo comentou no post de Mundo47 que falava sobre a DeG, alegando que queria papear com alguém da banda. “Então eu adicionei ele e fizemos um teste. Mandei uma letra que eu tinha escrito e uma melodia, se ficasse legal, ele tava na banda”, conta Viktor. A banda então foi formada com o nome de Bomba Saturno e hoje essa música é a única que tem no Myspace  da nova banda, originada do Duques e Gafanhotos.  Viktor fala ainda um pouco sobre o nome da banda Bomba Saturno – “O nome é porque eu sempre imaginei Saturno como uma enorme bomba!! fiz o desenho, e acabou ficando Bomba Saturno”, revela Viktor.

A formação da Bomba Saturno ficou: Andy Ricardo – Vocal; Viktor Zanini – Bateria; Henrique Zanini – Guitarra; Luiz Arbegaus – Baixo. Segundo a banda, as influências vão de  Led Zeppelin, Mika, Pink Floyd, Queen, Barão Vermelho,  Legião Urbana e por ai vai.

Conheça Bomba Saturno em:

www.myspace.com/bombasaturno

Ursulla e o novo som indie de Joinville

junho 17, 2008

To num dia Joinville hoje. Se a cidade não se cuidar, é capaz de virar uma Manchester catarinense. A grata surpresa do dia, novamente vem de Joinville e está com um excelente trabalho no Myspace. Precisaram de apenas duas músicas para me conquistarem. O quarteto da banda Ursulla promete muito ainda para este ano. Neste sábado a banda sobe ao palco do Liverpool Snooker Pub com a competente Stereoplasticos, de Porto Alegre, já comentada com louros da vitória aqui em Mundo47. O trabalho da Ursulla não é diferente. Indie pop de muita qualidade, guitarras e riffs espetaculares, melodias no lugar, enfim, sonho pop se materializando na terra das geladeiras.

Mais surpresa ainda é saber que esses caras tão desde 2006 na labuta. Com um single e um EP, a banda já foi destaque no Trama Virtual e no Bandas de Garagem. Em 2007 a Ursulla fez diversos shows por ai e também fora de SC. Nem precisava de release pra falar do som dos caras, mas vamos lá. Lá dizem que tem influência de gente como Smiths, Killers, Cure, Depeche Mode, Pixies, Interpol, Snow Patrol, mas com tanta influ gringa na bagagem, eles cantam em Português. No instrumental a clara influência dos anos 1980 e do indie rock. Formada por Sérgio, Israel, Alex e Marcel, a banda diz que tem boa aceitação do público com seu som.

A ursula está finalizando atualmente sue primeiro álbum, gravado em Joinville e comprodução de Gabriel Vieira. Os rapazi esperam fazer um barulho na cena nacional com este novo primeiro álbum que anda saindo pelas bandas de Jlle. Disponível no Myspace, duas canções prévias do disco, “Inconstante” e “Feito Sem Razão” , as maravilhas que eu ouvi e que podem ser baixadas gratuitamente no site.

Conheça Ursulla:

www.myspace.com/bandaursulla (single)

www.tramavirtual.com.br/ursulla (singles e EP)

Fevereiro da Silva: funil de idéias do Norte

junho 17, 2008

foto de fevereirodasilva em 30/05/08

Fevereiro da Silva na foto de Igor Tiogo do Notícias do Dia

Joinville é uma cidade industrial, a maior do estado em tamanho de perímetro urbano e população. Até um tempo atrás o rock era voltado inteiramente para bandas punks que tocavam no Curupira Rock Club. Naquela época, podemos citar com muito orgulho o trabalho da Butt Spencer e outras que acompanhavam a cena. Massa Joinville ficou um tempo estagnada no rock. Com o surgimento do Reino Fungi, as coisa iniciaram de novo, deram novo rumo e guinada. A mais nova surpresa é o trabalho do Fevereiro da Silva.

Lançando seu primeiro EP (que está em minhas mãos) a banda dá um rumo bacana ao seu trabalho que iniciou em 2004 com o grupo Ammsia. Agora como Fevereiro da Silva, os remanescentes do Ammusia tocaram a banda pra frente. Segundo a banda, o nome Fevereiro da Silva é uma mistura de influências de cada integrante. “O sobrenome “da Silva” foi unânime no contexto e o Fevereiro, surgiu na idéia de mês curto, de festa, de utopia e também tempo da fundação do grupo”. diz a banda.

foto de fevereirodasilva em 09/05/08

O EP Funil, que está também disponível no Myspace da banda, mostra cuidado e capricho no produto. Uma bolachinha muito bem pensada e apresentável. O disco se deu depois de exaustivas experimentações. Dessas mistura de influências, vieram canções como a boa “Caixa Bomba”, “Tela”, “Botina Muda” e “Combates”. Todas com levadas de ritmos brasileiros, mas sem esquecer a cadência do rock and roll no baixo, bateria e guitarra. Os metais de Hélio de Souza e André Steuernagel, também marcam som característico de algumas bandas de Joinville e do Vale do Itajaí.

O trabalho do Fevereiro da Silva é autoral e bem bolado. A gravação apesar de ser feita num estúdio particular, está muito boa e o EP Funil, tem a cara e o dedo de todos os integrantes. Daniel Moura (baixo), Lucas Machado (bateria e voz), Augusto Ginjo (guitarra e voz), André Steuernagel (trombone), Hélio Souza (trompete) e Ricardo Borges (voz),

Baixe o EP Funil: www.myspace.com/fevereirodasilva

Senhoras e Senhores: Superpose

junho 13, 2008

Photobucket

 

Eu já tinha lido sobre eles no Blog do Marquinhos, do super Marcos Espíndola, agora rolou uma recomendação bacana do Jean Mafra, vocalista da Samambaia Sound Club. Eu mesmo só tive tempo de ouvir o trabalho da dupla Superpose dias atrás e digo que gostei do que ouvi.

Formado por Isaac Varzin e Paula Felitto, o duo está ganhando um publico bacana e sendo muito comentado na cena floripa. O som não é usual em bandas catarinas, mas é muito bem vindo. O eletro rock não é algo não muito difundido por aqui, mas temos bons representantes. Algumas músicas já estão disponíveis no Myspace e misturam nas suas letras, palavras, frases em inglês e português. Segundo Jean, Superpose está para lançar nas próximas semanas, um EP por um selo de música eletrônica de São Paulo. Propagandista da dupla, Jean vai mais longe: “uma canção deles foi incluída num disco de uma publicação alemã que elege as novidades do meio”, diz o SSC.

CONHEÇA SUPERPOSE
www.myspace.com/superpose
 

Fevereiro da Silva lança seu primeiro EP

maio 26, 2008

Saiu neste fim de semana o primeiro EP da banda Fevereiro da Silva, de Joinville. O show de lançamento oficial do disquinho, será no dia 31 de maio, no Old Music Bar, na terra dos principes. De acordo com o jornalista, mestre e colega de blog, Rubens Herbst, é bem possível que a festa de lançamento do disco no Old Bar seja a última, há burburinhos na terra das geladeiras que o negócio vai fechar.

No lançamento do EP, a Fevereiro da Silva recebe também a banda Al Diaz, de Jaraguá do Sul e no meio dos shows, o curta-metragem “Sob o Céu de Joinville”, de Rodrigo Brum, vai ser exibido pro povinho wrock da festa.

Já o primeiro EP da Fevereiro da Silva finalmente foi parido. Gravado em 2007 até março deste ano, no estúdio particular de André Cidral, o trabalho foi feito em conjunto com a banda. O som desse pessoal de Joinville é inspirador. Rock, reggae, ska, samba e até metal, uma caldeirada catarina de várias influências, algo muito próximo do trabalho dos brasilienses do Móveis Coloniais de Acaju, mas com o sotaque e tempero da terra das flores. Quatro músicas deste novo trabalho estarão no Myspace, mas se você quer todo o trabalho dessa gurizada, vai ter que desembolsar R$ 5 pila pelo EP, uma ninharia meus caros leitores.

Conheça Fevereiro da Silva

www.fotolog.com/fevereirodasilva

www.myspace.com/fevereirodasilva

Curupira abre espaço para bandas novas

maio 20, 2008

foto de curupira_rock em 19/05/08

O pessoal do Curupira Rock Club tem um projeto muito bacana. Uma vez por mês, abre suas portas para bandas novas do circuito independente wrock de Santa Catarina. Neste dia 24 de maio, rola outra edição do projeto. Confira as infos e se enquadre, compareça e conheça, o mais importante!

Atrações:

Vasilhames [Joinville] * rock and roll
Site: http://www.vasilhames.net
Comunidade no orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=48851814

Gift Anger [Guaramirim] * grunge / heavy
Comunidade no orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=850085838258555753
Principais influências: Deep Purple, Metallica, Alice In Chains, Black Sabbath, Led Zeppelin, Korn, Rage Against the Machine, System of a Down, Dream Theater, Creedence Clearwater Revival, Van Halen, Iron Maiden.

Ramsés [Jaraguá do Sul] * rock 80’s
Comunidade no orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=36341805
Conheça mais: http://www.rockwave.com.br/bandas/ramses
Principais influências: Elvis Presley, Barão vermelho, Cazuza, Legião Urbana, Green Day, Guns N’ Roses, AC/DC, Nirvana, Rage Against The Machine, Matanza, The Doors, The Purple.

Horário:
21h30 – bar aberto + discotecagem rock
23h30 – primeira banda no palco

Ingressos somente no local:
Até as 23h00 – R$5.00
Depois – R$7.00

 

L.I.M.B.O – novo projeto dos integrantes do Euthanasia

abril 15, 2008

Gurizada resolveu arregaçar as mangas e fazer um som juntos

Marcelo Mancha deu sinal de vida. Meu amigo e chapa dos eventos róque no final dos anos 1990 e início dos 2000, Marcelo Mancha, jornalista e baixista/vocalista da Euthanasia, entrou em contato comigo na semana passada para dar um alô e claro, falar de seu novo projeto. L.I.M.B.O, que iniciou com Jean (guitarrista e vocalista Euthanasia), Heráclito (percussão Euthanasia) + os amigos Kimzak (vocalista do Squadrão da Rima), Vitão A.K.A, MC Create no vocal, Johnlen (que é guitarrista do Supervox) e o Marco na bateria.

Para situar o leitor do Mundo47 nessa história, eu e o Mancha fomos chapas na Univali, entre 1998 e 2000, quando estudávamos naquela instituição de ensino superior e paralelamente, nos engajamos em trazer diversas bandas da cena 048 para o famoso Tschumistock, de Rio do Sul, que na época eu era um assíduo colaborador. Juntos abrimos caminhos para as bandas 48 na cena 47 do Vale do Itajaí. Bandas como a própria Euthanasia (do Mancha), Ambervisions, Los Chick Magnets, Epitaph e outras da cena 48, tiveram a oportunidade de tocar no psicodélico festival riosulense.

A Euthanasia também era uma banda muito movimentada na cena hard core do Estado e do Brasil, participando de projetos, coletâneas e lançando discos próprios. O EP Virginia é uma obra prima do HC nacional e tem a participação do jornalista e militante político Felipe Damo na letra “Ainda bem que você não é da minha rua”. O peso do som do Euthanasia e os vocais rasgatos de Jean e Mancha, foram caractarísticos em SC. A Euthanasia também agregou o rap a cena HC e também as quentes performances percusivas do mestre Heráclito. Enfim, uma banda clássica que segundo Mancha, está desde 2007 naquele lance de não ter muito apoio e não ter lugar mais para tocar.

Sobre o L.I.M.B.O, o baixista avisa que o grupo gravou duas músicas nos estúdios de Alexei Leão no mês passado. “Não tem um estilo definido, é algo entre metal e o rap, eu acho, as vezes parece Euthanasia um pouco mais leve”, diz Mancha. Por enquanto o trabalho do L.I.M.B.O está somente na web, mas existe a possibilidade de um EP na bolachinha.

Vale lembrar que L.I.M.B.O é a junção de quatro bandas da zona 48. Tem gente de São José e Floripa. Muito Influenciado por: Cypress Hill, Hed (pe), Pavilhão 9, Rage Against the Machine, Sepultura, RDP, Bad Religion, Nação Zumbi, Ultramen, Racionais, Ramones e Bob Marley, a banda está pronta para sair pra rua.

Escute o material do L.I.M.B.O
 
www.palcomp3.com.br/aestrutura
www.myspace.com/aestruturalimbo
 

Daian Schmitt é uma boa aposta do folk catarinense

março 17, 2008

daian.jpg

Um pouco do trabalho do Daian está no Myspace

A música catarinense acaba de ganhar uma nova promessa.  Bom, pelo menos para este espaço, o compositor Daian Schmitt é uma nova opção para a música do estado. Natural de Rio do Sul, mas morando em Blumenau desde 1998, Daian lançou no último sábado o seu primeiro disco com um show no KGB Bar, na cidade dos alemón.

O trabalho é consistente e muito bom. Puxando para a linha do folk e do rock clássico, Daian compôs inúmeras músicas em português para o seu primeiro disco. Um total de 13 canções de sua autoria. “O disco percorre caminhos distintos, entre baladas ásperas e rocks suaves”, diz o artista. 

Daia foi durante os anos de 2002 e 2005,  um dos organizadores e participante atuante do movimento artístico que aconteceu Blumenau, chamado MPBLU – Musica e Poesia Blu. Junto com a banda Os Tutanos e outras: Colonos Rebeldes, Revolver, Trovadores do Vento, Milho no Trilho e Saiabmamas, mais o Artista plástico Tadeu Bittencourt e Poeta Douglas Zunino. ”Fizemos uma ruptura na cultura da cidade, levamos nossa música até onde queriamos. Conquistamos um público que nos acompanha até hoje e que vem crescendo sempre” Explica Daian Schmitt.

O CD foi gravado, mixado e masterizado em Blumanau no RVB estúdio por Deny Bonfante e produzido pelo artista. Participaram das gravações os músicos, Léo Maier, Darlan Dias, Rafael Scharf, Jonathan Estevam Johnny Werner, Anderson Cassiano, Rafael Martorano e Jairo Adriano. Daian Schmitt é acompanhado pela sua banda, Os Comparssas do Rock que conta com Darlan Dias na bateria, Léo Maier na Guitarra e Bigo no Baixo.

Conheça o trabalho de Daian Schmitt

www.myspace.com/daianschmitt

www.palcomp3.com.br/daianschmitt

Cummings: punk rock na veia da piazada

março 11, 2008

 cummings.jpg

Linguinha (?), Pio e Binks: jogam novo CD na praça no domingo. Róque!

Finalmente tá saindo. Ainda em fevereiro eu recebi alguns CDs de algumas bandas do Estado. E veio de Brusque o CDzinho de uma banda que tem nome de motor de caminhão, Cummings. Na capa, um desenho tipo Nicklodeon dos três integrantes da banda. Pio  Cummings (vocal e guitarra), Binks (bateria) e Linguinha (contrabaixo). Com lançamento oficial para dia 16 de março, o disco “Mais vale um sorriso do que uma piada bem contada”, é uma reunião de uma porrada de músicas compostas pela banda e gravadas em Curitiba.

O som é punk rock simples e direto, com nuances diretas ao universo dos adolescentes e que mistura letras ao estilo de escracho dos Mamonas Assassinas com melodias pesadas de Sex Pistols, Replicantes, Ramones, enfim, aos grandes discos clássicos. Nas faixas, a Cummings não esconde sua preocupação em manter o som simples e cru, muitas vezes até demais, porém que em grande penetração na gurizada de uma faixa etária menor que 20 anos. A banda ainda tem uma vantagem por ter fácil aceitação no restante da cena hardcore e punk rock, elevando ainda mais o seu objetivo de melhorar na sonoridade a cada trabalho. “Mais vale…” já é o segundo álbum da piazada, que com seu primeiro trabalho e bordão de Pio Cummings “Seja Feliz”, realizou um bom trabalho nas vendas do disco.

cartaz.jpg

Nas letras, o humor é carro chefe na maioria das músicas, mas a Cummings ainda que nem tão metafóricamente, tenta abrir os olhos da galerinha para outros assuntos. Lançado pela Casulo Records, o povo brusquense poderá ouvir as músicas do disco e de outras faixas de outros álbuns da Cummings no domingo, 16, num show no Auditório do Colégio Potencial, ás 19 horas.

CONHEÇA A BANDA CUMMINGS

Myspace: www.myspace.com/bandacummings

Trama: www.tramavirtual.com.br/cummings

Site: www.cummings.com.br

Curupira recebe safra de bandas novas no sábado

março 4, 2008

Fextênha róque no Curupira neste sábado. Confira ai!

curupira.jpg

Outras informações: www.fotolog.com/curupira_rock

Brusquenses do Etílicos & Sedentos divulgam seu EP na web

fevereiro 18, 2008

etilicos.jpg 

Vem de Brusque o rock and roll da banda Etílicos e Sedentos. Esses caras debutam no Mundo47, mas são músicos experientes na cena da terra da Estátua da Liberdade fake. A banda é formada por Cleber nos vocais e flauta doce, escaleta, gaita de boca e violão, Juninho na bateria e voz, Moacir na guitarra e André no baixo e voz e segundo dizem, “introduzem em seu som, lembranças humanas e viagens ilícitas, libertando sentimentos utópicos e importunos através do rock and roll”.

Experimentando músicas doces e salgadas, onde a simplicidade improvisa subjetivamente canções desejadas. A banda deixa em abstinência os modismos sociais e os pensamentos arcaicos, direcionando suas vontades e loucuras em palavras verbais e não verbais, excitando o amor à arte, excitando o tesão de tocar. “Bunito”, agora o lance é ouvir.

Em 2007 a banda gravou um EP com quatro músicas que estão disponíveis no My Space da banda. Segundo Saulo Jr, batera da banda, dentro de poucos dias a banda vai lançar o single com a  música “Farra do Boi”, para aproveitar o período da quaresma.

Conheça Etílicos & Sedentos

www.myspace.com/etilicosesedentos

Estado Deplorável: punk rock vindo de Jaraguá

fevereiro 18, 2008

curupira-moicano.jpg 

É sempre bom ver bandas novas surgindo no cenário róque de SC.  Com o Mundo47, eu passei a conhecer outras bandas que eu ainda não conhecia. O pessoal de Jaraguá do Sul, da Estado Deplorável mandou um plá para o Mundo47, divulgando a banda. Confira:

Apesar do nome irônico, esta banda de Jaraguá do Sul faz punk rock com responsabilidade e seriedade. Cansados da onda de bandas covers “bubblegum” que infesta a cena de Jaraguá do Sul, estes 4 caras resolveram fazer um som com identidade, de riffs energéticos, vocais explosivos e muito rock’n’roll. Seguindo uma linha mais “old school”, misturados ao “oi!” dos anos 80 e muita influência de bandas clássicas como Motörhead, The Clash, Ramones, Rolling Stones e as brazucas Inocentes, Garotos Podres, Camisa de Vênus, Cólera e Ratos de Porão, a banda conta com uma DEMO lançada no início de 2007.

“Medíocre Sociedade” introduziu a Estado Deplorável no cenário underground de maneira surpreendente abrindo caminho para shows em lugares como o lendário CURUPIRA ROCK CLUB e diversas cidades catarinenses. O lançamento do EP Realitty Show From Hell, previsto para Março de 2008 promete uma nova e grande fase para a banda, que conta com:

Ismael Niels – Guitarra, vocais
Marcelo Bachmann – Guitarra, Vocais
Michael Zanghelini – Bateria
Rafael Ricardo Rosá – Baixo

Para conhecer um pouco da história e os sons da banda, os links são:

http://www.fotolog.com/estadodeploravel

http://www.myspace.com/estadodeploravel

http://tramavirtual.uol.com.br/artista.jsp?id=56952

Belas melodias pop dos gaúchos do Stereoplasticos

fevereiro 15, 2008

divulgaca1.jpg

O Rio Grande do Sul é um berço de bandas de material próprio. Muitas despontaram para o cenário nacional, porém nos últimos anos, o RS virou terra oficial de quem quer ser psicodélico ao extremo. Eu acho isso fantástico, mas nem só de 60´s rock que o mundo vive e gente como Superguidis sai do RS com bons discos para conquistar o mundo róque.

Uma banda nova que vem surgindo e despontando com um excelente EP, é a banda Stereoplasticos. Esse pessoal de Porto Alegre produziu e lançou um EP fantástico que virou disquinho obrigatório no meu carro. O mais bacana disso tudo que o EP não é exclusivo para CD, você meu caro leitor, pode baixar as músicas do Stereoplasticos no seu computador e fazer o próprio julgamento.

A banda nasceu em 2004 sob as influências do britpop, anos 80 e indie rock. Na cabeça dessa galera, sons de bandas como The Killers, The Cure, Wilco e Snow Patrol, tem sentido para o que fazem com a banda e na lingua pátria. Divulgando o segundo EP “Vermelho Como Azul Marinho”, a banda demonstra maturidade nas composições e um belo naipe de harmonias complexas e riffs despretenciosos para o seu trabalho.

A banda, ainda restrita ao circuito indie do Rio Grande do Sul, tem seu trabalho tocando em outros lugares do país, mas a banda ainda não zarpou para uma tour pelo Sul ou Sudeste. Com o primeiro EP, em 2006, o Stereoplasticos foi um dos finalistas do Festival Trama Universtário e foi indicada ao prêmio London Burning no mesmo ano.

 CONHEÇA O STEREOPLASTICOS
Cristina Teixeira – Guitarra
Rafael Mallmann – Baixo
Raphael Scheninni – Guitarra e Voz
Tito Gusmão – Bateria

Músicas:
http://stereoplasticos.palcomp3.com.br
http://www.myspace.com/stereoplasticos
http://www.purevolume.com/stereoplasticos
http://www.tramavirtual.com.br/_stereoplasticos

Fotos:
http://www.fotolog.net/stereoplasticos

Vídeos:
http://www.youtube.com/stereoplasticos

Orkut:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=98086

Parachamas: nova promessa róque de Blumenau

fevereiro 14, 2008

 1202338281_f.jpg

O meu respeito para com as bandas originárias de Blumenau é imensa. Stuart, Cuba Drinker and Hi-Fi´s, Minds Away, Hey Miss, Madeixas, Enzime, tantas outras, bandas que fizeram parte da minha vida no independente e ainda fazem. O mais bacana é ver que além destas bandas, Blumenau também vê o nascimento de uma nova grande banda. O Parachamas. Os seis amigos que compõe este combo que mistura algo que eles chama de Power Rock, mais o ska, o alternativo, powerpop e funny music, já deixou registrado um excelente produto musical em seu primeiro trabalho, o EP Bem Vindo, que contém cinco canções em formato CD e com capinha de papelão com uma arte irada.

A banda iniciou as suas atividades para valer em 2005, quando Alexandre M. (guitarra e vocal) e Alex Ricardo (bateria), músicos já conhecidos no underground 47, resolveram montar um powertrio com o baixista Eduardo Cuco. Nos primeiros ensaios as músicas já foram saindo, mas logo a banda viu que tinha intenções maiores com o som e logo a entrada Alberto (trombone de vara) e Marlon (trompete). ” A gente nem sabia o que estava fazendo, queríamos fazer música pesada, gritada, triste, alegre, calma, feia, bonita, suja e limpa, queríamos botar nossas 30 mil influências, o powerpop do Teenage Fanclub ao electro do Fischerspooner”, diz Alexandre M. O último a embarcar na “kombosa” do Parachamas foi o guitarrista Marcel.

1-encontro-xtreme-bnu-by-k.jpg

O ano início de 2007 foi problemático para a turma. Depois de um hiato devido a deficiência de local para ensaio, três dos integrantes decidiram dividir um imóvel para mergulhar de cabeça nos interesses da banda e também retomar os ensaios. Os guris do Parachamas creditam os esforços do pessoal da Barba Ruiva Produções Artísticas, pelas grandes oportunidades de shows durante o último ano. Em setembro de 2007 o Parachamas se reuniu para registrar o primeiro EP – Bem Vindo, gravado totalmente em Blumenau. Com um novo baixista no combo, Eduardo teve que vazar, Rodrigo Graciola assumiu as quatro cordas. O EP foi lançado em Dezembro e é um puta disquinho.

A união do róque com os instrumentos de sopro, as belas melodias e o vigor das músicas, fazem o som do Parachamas relembrar a falecida banda Butt Spencer, de Joinville, mas nas primeiras ouvidas atentas do EP, a coisa muda de figura. O Parachamas consegue impor um estilo próprio nas melodias e na batida sky. Aquela mistureba dita acima, vários estilos, não é bagunçada ou desorganizada, é muito bem elaborada e Bem Vindo, a faixa inicial, dá todas essas características. Outra boa canção é a seguinte. Perdendo o Controle. O combo de metais é francamente cronometrado e aparece nas horas certas e faz o gran finale da música, ajuda a perpetuar bem a melodia e o vocal de Alexandre M. coube direitinho nas pretensões sonoras dessa e das demais canções.

O papo da banda em fazer som porrada e calmo bate na terceira faixa. Como Não Dizer, faixa seguinte agrega essa calma relaxante do potente e bem regrado trombone de vara. Posso dizer que o Parachamas fez um excelente trabalho em estúdio, da qual conseguem transpor para suas apresentações ao vivo com perfeição. No ao vivo, além das chalaças e do público malaco, as associações com músicas de bandinhas alemãs de Blumenau dá aquela sensação bacana de que eles são 47 genuínos. Ultrabranco é a próxima faixa que dá uma quebra no sistema. Principalmente pelas suas harmonias quebradas e coladas. Ao longo da faixa a guitarra vai dando ritmo a coisa e os metais seguram o que vem pela frente. Ska puro, uma beleza e a bela paulada da dupla dos metais entre os versos. Superpefeito é o que mais se aproxima do estilo rockão. Gritado, desajeitado, jovem e vibrante.

Esse é o trabalho dos Parachamas. O primeiro EP dos piás está bem encaminhado. Agora resta saber se essa turma vai ter pique para permanecer com bons trabalhos. Acho que não será problema, pois pelo que vi ao vivo no John Bull no último Grito Rock, o Estado acaba de ganhar mais uma grande banda. Precisa de mais estrada, tocar em mais festivais, e claro, ter o reconhecimento dos fãs. Ai fechô.

Ficha técnica:

Parachamas – Bem Vindo – 2007/2008

paracapa.jpg

Gravado em Setembro de 2007 no Mazza Estúdio e mixado no MD Estúdio em dezembro de 2007. Faixa Superfeito gravada e mixada por Lapolli no Phoenix Estúdios em junho/julho de 2007.

CONHEÇA O PARACHAMAS

www.fotolog.com/parachamas

www.myspace.com/parachamas

Contato: parachamas@gmail.com

Dramaphones inicia gravação do seu primeiro EP

fevereiro 1, 2008

 Mais um pouco do diário de gravações da banda Dramaphones, de Rio do Sul, que está gravando seu primeiro EP em Blumenau. Com a palavra, a banda.

Sábado – 26 de Janeiro de 2008

dsc05894.jpg
Depois da divertida viajem até Blumenau, fomos na casa dos nossos amigos Parachamas, para bater um papo e ver um ensaio dos caras, que por incrível que parece, acontece dentro do Apartamento deles! (acreditem!), Ás 16 horas partimos para o estúdio e depois de uma longa regulagem da bateria, começamos as gravações. O Jp encontrou algumas dificuldades pelo fato de ser a primeira vez em um estúdio, mas tirou de letra! Conseguimos gravar 3 músicas no primeiro dia…

Domingo – 27 de Janeiro de 2008

dsc05926.jpg

Acordamos cedo e depois de ir até o posto de gasolina mais próximo e tomar aquele cafézinho com pão de queijo, voltamos ao estúdio para gravar as músicas restantes. Foi simples, em 4 horas terminamos tudo, ainda sobrou tempo pra darmos uma brincada ao vivo. A viagem de volta foi bem tranquila…

Dia 2 e 3 de Fevereiro começaremos a gravar as Guitarras e Baixos. Depoimento do Baterista João Paulo (16 anos) fã de carteirinha do grande Keith Moon. “As gravações foram muito boas, um pouco difíceis no começo, por ser minha primeira vez em estúdio, mais depois tudo correu bem e as gravacoes ficaram muito boas!”

“As expectativas para o EP são as melhores possíveis, todas as músicas foram escolhidas para seguirem um mesmo contexto e além do mais são ótimas músicas!”

Um pouco das gravações em:

http://www.youtube.com/watch?v=sCla1_Ry1fs

Duques e Gafanhotos: rock do interior, do interior e do 5º dos inferno

janeiro 28, 2008

duquesegafanhotos-peitos.jpg 

A foto de divulgação é quesito nota 10 em originalidade

Em 2007 a BigBrother catarinense Bruna, natural de Taió, no Alto Vale do Itajaí, disse que sua cidade ficava no interior, do interior do interior do estado catarinense. Na época me lembro bem que algumas pessoas em Taió não gostaram da definição tão caipira para a cidade, que segundo Bruna, nem sineleira tem. Bom, Taió não tem sinaleira, mas imagine o município de Santa Cecília, alguns quilômetros distante de Taió e que com a BR-116 cortando a cidade, você mal se dá conta que já passou do Centro. Bom, lá em Santa Cecília tem uma trupe de garotos que faz o que em muita cidade maior que a deles não tem: bandas de rock and roll.

Recebi o papo dos meninos do Duques e Gafanhotos graças ao Mundo47. Garotos de 17 e 18 anos que lá longe dos grandes centros, das grandes cidades do litoral (onde muita coisa acontece em termos rock) resolveram se juntar e depois de algum tempo, se enfiar num estúdio para gravar suas músicas próprias. Conversei com o vocalista Willian Goetten via MSN e o rapaz me disse que a banda está junta há um pouco mais de um ano e que já com seis meses de banda, os guris resolveram ir até outro município próximo (uma cidade um pouco maior)  onde um músico de uma banda gauchesca mentém um estúdio e grava em princípio, músicos do estilo gaudério.

A gravação em si não é das melhores e qualidade e o dedo do produtor gaudério até atrapalhou um pouco os novatos guris na arte dos estúdios, mas a atitude e as boas canções pop que permeiam o que está no My Space deles, me dá aquela agradável certeza que em SC não é somente em grandes centros que veremos nascer boas bandas. Está errado, não podemos achar ou afirmar que tal lugar é o centro do universo, porquê não é. Vindo lá de Chapecó e agora dando essa parada estratégica em Santa Cecília, temos a certeza que o rock catarina pode progredir muito. Os meninos do Duques e Gafanhotos já merecem um bom crédito pela sua idade e atitude de gravar material próprio e de incluir no hall de influências, artistas como  “Arcade Fire, Babyshambles, Can’t see Colors, Belle & Sebastian, Bloc Party, Bright Eyes, Dandy Warhols, Death Cab For Cutie, Dinosaur Jr, Donna Zebra, Duques e Gafanhotos, Franz Ferdinand, Hot Hot Heat, Iterpol, Jet, Kaiser Chiefs, Kasabian, Kings Of Leon, Louis XIV, Maximo Park, Muse, Oasis, Pedro The Lion, Radiohead, Ramones, Regina Spketor, Rolling Stones, Sex Pistols, Smashing Pumpkins, Snow Patrol, Stooges, Supergrass, Teenage Fanclub, The Automatic, The Beatles, The Bravery, The Strokes” (nomes tirados do My Space dos caras) me dão uma puta alegria que to vendo que a gurizada não se influênciou por porcarias que nos enfiam todos os dias nas televiões ou rádios. Claro que esses caras do Duques e Gafanhotos são de uma geração internet, passíveis de ter o mundo na tela do CPU, mas o que  Victor(baterista), Henrique(guitarrista e tecladista), Fábio(guitarrista), Thiago(baixista) e Willian(vocalista) querem, é ter locais para tocar e um público que entenda o que querem passar de mensagem.

Antenados, esses caras do interior, do interior do interior, sabem que a net é fundamental para ser visto hoje e a banda mantém espaços no YouTube, MySpace e o nosso Trama Virtual. É nessas e em outras horas que eu tenho muito orgulho do rock catarina.

CONHEÇA DUQUES E GAFANHOTOS:

trama
http://tramavirtual.uol.com.br/artista.jsp?id=63252
myspace
http://www.myspace.com/duquesegafanhotos
you tube (são apenas ilusões – Wood Fest 2006)
http://br.youtube.com/watch?v=6gLcOt2FoXA

Faichecleres sem baixista… de novo…

janeiro 24, 2008

 faichecleres0.jpg

Cauê (C): recebeu cartão vermelho dos ex-companheiros

Definitivamente os curitibanos do Faichecleres andam sem sorte com os músicos das quatro cordas. Postado em seu fotolog, um comunicado da banda avisa que Cauê, o terceiro baixista a figurar a banda, deixou os Faichecleres por “motivos anti-profissionais”. A nota não explica mais nada, apenas alfineta Cauê e já avisa que a banda está na procura de um novo baixista-backing vocal que tenha influência de Beatles, Stones e Rock dos anos 50, 60 e 70.

A dupla Marcos e Tuba, membros originais, dizem que é exigido do candidato que seja um bom músico e saiba conciliar muito bem o lado profissional com o lado particular e que se dedique exclusivamente aos Faichecleres.

Bom, a novela”baixista dos Faichecleres” iniciou ano passado, quando Giovani, baixista e vocalista principal da banda deixou os companheiros para mudar de ares e também de rumo na carreira. Depois sem sucesso, o Faichecleres trouxe o baixista Ricardo Júnior (o Paul da banda infantil Bitkids) que não durou muito, aliás, quase nada. Com a entrada de Cauê as coisas pareciam estar tranqüilas, porém o mundo rock foi pego de surpresa com o desentendimento entre a banda e Cauê.

A sugestão do blog Mundo47 para os fãs é ativar na net a campanha “Volta Giovani”, quem sabe o homem não resolve voltar para a loucura dos shows frenéticos com os companheiros. Se não tiver jeito, outra sugestão para Marcos e Tuba é formar um duo estilo White Stripes. Só não quero saber quem quer ser a Meg nessa história.

Dramaphones inicia gravação do seu primeiro EP

janeiro 23, 2008

drama.jpg 

De Rio do Sul, Alto Vale do Itajaí, a banda Dramaphones finaliza os últimos detalhes para a gravação do primeiro EP. No sábado a banda chega até Blumenau para o início das gravações da bolachinha e numa missiva eletrônica para o Mundo47, os integrantes dizem que estão anciosos pelas gravações do EP.

A banda avisa que serão 4 finais de semana seguidos de trabalho e expectativa pelo resultado. O Dramaphones prevê o lançamento do disquinho para março, mas sempre tem aqueles contratempos básicos, mas Mundo47 ficará de olho na movimentação e um diário das gravações será publicado por aqui ao longo do trabalho. Eu espero que a banda passe alguma prévia.

A partir da semana que vem será possivel acompanhar também pelo nosso site:

http://www.dramaphones.com

http://www.fotolog.com/thedramaphones

Killing Ana: pop alternativo da Ilha de SC

janeiro 23, 2008

killing-ana.jpg

 Eu lembro muito bem que em 2007 eu estive no Drakkar em Floripa para ver o Verano, Maltines e outras bandas 48 se apresentarem naquele bar. Mas uma outra banda também me chamou a atenção naquela noite. Um powertrio muito bem entrosado. Cutucando o cidadão da frente eu perguntei: “Que banda é essa?” o cara respondeu rapidamente: “Killing Ana bicho, gostou?”.

Claro que sim! O Killing Ana é uma doce e adorável banda de rock alternativo da Ilha de SC, Floripa. Naqueles 40minutos de apresentação, tive a nítida sensação de estar em frente a uma banda que preza muito por boas melodias, linhas de baixo perfeitas e um charme pop presente nas composições. Em seu MySpace, a banda disponibiliza faixas de seu EP. Segundo consta no site, a banda foi formada por assíduos freqüentadores do circuito underground de Desterro (Floripa para quem não sabe). Remanescentes do antigo grupo Liquid Squid, o Killing Ana está traçando seu caminho na região 48 com boas e competentes apresentações.

A banda acredita que agora, com um apelo mais pop e arranjos mais diretos, a proposta da banda é apurar ainda mais os climas que oscilan entre o exultante e o triste e isso é facilmente compreendido com as faixas disponíveis no MySpace.
A banda já dividiu o palco com importantes nomes da música alternativa nacional como os paulistas do Detetives, Twinpine(s), The Dead Phones, Rock Rocket; os cariocas do Moptop e do The John Candy, entre outros.
Apesar do relativo pouco tempo de vida da Killing Ana, o crescente volume de composições próprias encorajou os músicos a gravar o trabalho num EP chamado “Beautiful Blue”, realizado no Eldorado Infierno Studio, em Florianópolis. O disco contém seis faixas e um videoclip.

Conheça o Killing Ana

killing.jpg

Roberto Saraiva: Baixo
Carlos Costa: bateria
Alexandre Franco: voz e guitarra

http://www.myspace.com/killingana   

Aerocirco e Terminal Guadalupe no dia 26

janeiro 18, 2008

Os desterrenses (essa foi forçada) do Aerocirco recebem no próximo sábado, 26, os curitibanos do Terminal Guadalupe no bar Drakkar, na Lagoa da Conceição. Depois de um show arrasador no palco Kazuca do Planeta Atlântida, o Aerocirco está em alta na capital dos catarinenses. Até mesmo o Miguel Livramento pensa em adquirir um CD dos rapazes, mas o certo é que a banda tá em boa fase e está aproveitando o máximo possível.

Já o Terminal Guadalupe, de Curitiba, está também na cena independente do Brasil e alcançou nos útlimos tempos uma respeitabilidade bacana na mídia. Conheça o Terminal no site: www.tg.mus.br

26-01-web.jpg

Anti-Heróis finaliza primeiro CD

janeiro 17, 2008

 anti.jpg

Hardcore vibrante, de qualidade, sem firulas, um show agitadíssimo, os itajaienses da Anti-Heróis foram a grande revelação do último Festival Válvula Rock. Abrindo para bandas como Walverdes e Matanza, essa gurizada do hardcore pauleira da região do Vale do Itajaí fez bonito, extremamente bonito. Sob a liderança do vocalista Marquinhos (uma figura), o Anti-Heróis tem mania de fazer shows marcantes.

No final de 2007 a banda passou trancafiada num estúdio em Curitiba para fazer seu primeiro álbum. Nessa semana a banda termina a mixagem e masterização e na próxima semana enviam a matriz da bolachinha para a fábrica e é só esperar. O disco promete agitar, com toda a certeza. A banda promete mil cópias da bolachinha e ainda não sinalizou se vai enfrenter os tempos modernos colocando todo o disco na net ou vai peitar e vender tudo em show. Olha, o hardcore é um mundo à parte, se essa gurizada conseguir vender todas as mil cópias em show, tem que tirar o chapéu. Agora é aguardar.

Catarinenses são destaque na Revista do Fantástico

janeiro 10, 2008

 apicultores.jpg

Grata surpresa enviada pelo meu amigo riosulense Sergey Schitz. Diretamente de Rio do Sul, Alto Vale do Itajaí, os catarinenses da banda Apicultores Clandestinos viraram destaque na revista do Fantástico, sim aquele programa de todos os domingos a noite na Globo tem uma revista impressa.

Numa reportagem com o título de “Geração Banda Larga”, os riosulenses aparecem como destaques de um exemplo de banda surgida na internet e para a internet. A reportagem da Globo se baseou no site Trama Virtual, a maior comunidade de bandas da internet brasileira que reúne praticamente todos os estilos. Na matéria, os jornalistas selecionaram bandas de estilo pop e também aberrações como o som dos Apicultores que se definem como uma banda inspirada em sons de John Zorn, Residents e Doiseu Mindoisema, de Diego Medina. A matéria segue com a definição do som. “Trio catarinense que usa “baterias à base de teclados genuinamente asiáticos, escaletas devidamente ‘delayadas’ (atrasadas), guitarras do tempo da vó benta e gravações feitas ao Deus dará”. Tocam sempre vestidos de apicultores”, diz a matéria que sugere que o internauta ouça a música “Chuck Norris é Feliz”, uma louca canção instrumental.

Conheça o som dos Apicultores Clandestinos:

http://tramavirtual.uol.com.br/artista.jsp?id=62678

Animales disponibilizam primeiras faixas

dezembro 16, 2007

Um maluco incomoda muita gente. Dois malucos incomodam pra caralho. Três malucos já é palhaçada. Os irmãos Rodrigo e Ramiro Pissetti (Os Incríveis Animais que Tocam) e o mago dos teclados psicodélicos, o gaúcho Astronauta Pingüim disponibilizam seu novo trabalho no MySpace. O projeto Animales, dos irmãos Pissetti, é uma agradável reunião de malucos.

Com influências que vão de Arnaldo Babtista, Beatles, Syd Barret, e chegam até Neutral Milk Hotel, o novo trabalho dos irmãos Pissetti deixam de lado o experimentalismo que norteava o projeto com Os Incríveis Animais que Tocam e partem para uma proposta mais convencional. As duas músicas disponibilizadas (Whisky e Calma) adiantam o espírito heterogêneo do primeiro disco Sauna Japonesa, cujo lançamento está programado para março de 2008, via Pineapple Music. As gravações foram realizadas no Estúdio Plus Records, por Cristiano Nanão, e mixadas no Submarino Estúdio, por Clayton Martin (Detetives/Cidadão Instigado).

Confira o resultado aqui: http://www.myspace.com/bandaanimales

Novidades do The Dramaphones de Rio do Sul

dezembro 13, 2007

 drama.jpg

A banda The Dramaphones, de Rio do Sul, Alto Vale do Itajaí, que já foi destaque aqui no Mundo47, divulga que em 2008 va rolar o primeiro EP da gurizada. Segundo os riosulenses, o EP deve sair em março de 2008 e a banda já está com vários shows engatilhados.

Curta um pouco de Dramaphones ao vivo no Tschumistock 2008

Ouça Dramaphones em:
http://www.myspace.com/dramaphones

———
Faça parte da comunidade Dramaphones:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=31882326

Matéria no Mundo47

Rock e praia na Armação

dezembro 10, 2007

 cartazf.jpg

Rock and roll e praia. Neste dia 15 de dezembro a Praia de Armação será palco para várias bandas novas da cena roqueira do Estado (SC). Todas produzem material próprio de boa qualidade e esperam fazer “a fextênha”, na Armação.

A parada começa às 17 horas e o ingresso custa R$5 pila.

Confira as bandas e seus respectivos espaços de MP3

– Apicultores Clandestinos (Rio do Sul-SC)
www.myspace.com/apicultoresclandestinos   

– Cabeleira de Berenice (Daqui Mesmo-SC) – Floripa
www.myspace.com/cabeleiradeberenice  

– Cidades Invisíveis (Cidade Invisível-Estado Invisível) – Floripa
www.myspace.com/ascidadesinvisiveis

– Travesseiro Polar (Blumenau-SC)
www.myspace.com/travesseiropolar

aqui tem o cartaz c/ um mapa explicativo: http://www.4shared.com/file/31617369/222cdd4d/cartazF.html

Variantes: uma boa surpresa do ano

novembro 19, 2007

 variantes.jpg

Em geral, o rock acontece no litoral catarinense. De Florianópolis a Joinville, de Balneário a Rio do Sul, se fizermos um balanço geral, o rock acontece mesmo nestas regiões, se traçarmos uma linha de abrangência. O Sul do Estado e o meio-oeste do Estado passa quase que batido. Lá no extremo Oeste existe uma ilha rock. É a cidade de Chapecó. Com uma identificação muito mais próxima (e justa) com o rock gaúcho, a cidade há tempos é celeiro de novas bandas que surgem. A mestre delas com certeza é a banda Repolho, que apesar de fazer um som irreverente, soube beber da fonte roqueira de bandas como Graforréia Xilarmônica, Cascavelettes e Atonais.

De Repolho pra cá, boas surpresas saem da terra do frango. Uma delas é a Red Tomatoes, que agora está radicada em Curitiba. Uma outra banda e esta é objeto deste texto, é o power trio Variantes. A banda acaba de mandar para o forno seu primeiro álbum de músicas próprias, captadas no mês de maio no estúdio Soma, na capital gaúcha e pelo que o “Mundo47” conseguiu levantar e ouvir, tem tudo para ser um grande disco lançado por uma banda catarina. E o melhor de tudo isso é que a gurizada do Variantes não é mais um bando de loucos enfiados em roupinhas 60´s querendo ser The Who ou Kinks, são três guris que antes mesmo de lançarem o seu primeiro disco, se preocupam com estética e comunicação. O material de divulgação, site, além claro do produto música, estão apresentáveis e num material impecável. Nota-se também que a banda tem interesse de sair de Chapecó para também se radicar num centro onde o rock role com mais frequência.

variantes-capa.jpg

Conversamos com o baterista André Nicaretta (o Baga) que revela a intenção da banda em se mudar do Oeste, para o litoral catarinense ou quem sabe Porto Alegre, Curitiba e até São Paulo. “Sabemos que nestes locais poderemos estar aparecendo mais e tocando com mais freqüência”, diz Baga. Enquanto o primeiro disco não vem da fábrica, o Variantes toca em festivais e fextênhas rock. No fim de semana do dia 10/11 estiveram pela região 47 em shows no Open Bar (Balneário Camboriú) e no festival Tschumistock (Rio do Sul). Segundo Sergey Shutz, correspondente Mundo47 no Tschumistock, o show do Variantes foi um presente para encerrar a tarde de domingo no Tschumi.

Assim a banda segue, com shows eletrizantes, platéias delirando com a força das canções próprias gravadas pela banda e já executadas em shows. O Mundo47 ouviu algumas faixas do disco do Variantes e pelo que deu para acompanhar, a qualidade das gravações e composições do Variantes é muito boa. Nas primeiras faixas é difícil escolher um hit para estourar, mas a banda tem pés no chão e sabe que vai ter que ralar muito para aparecer na cena. Qualidade de som eles tem, só precisam saber bem onde querem tocar e em quem confiar neste mundo do róque.

variantes_jpeg.jpg

Integrantes: Gustavo Faccio (baixo e voz), André Baga (bateria) e Willian L. do Nascimento (guitarra e voz)

Site oficial: www.variantes.com.br

Trama Virtual: http://tramavirtual.uol.com.br/artista.jsp?id=23605

MySpace: www.myspace.com/variantes

Orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=12875575