Posts Tagged ‘2008’

Saiba tudo sobre o Tschumistock 2008 no Rádio Bar

novembro 5, 2008

Nesta quarta-feira, no programa Rádio Bar da Unidavi FM, de Rio do Sul, Rafael Tschumi e seus comparsas falam tudo sobre o Tschumistock 2008, um dos maiores e mais importantes festivais de Santa Catarina. Sabatinados pelos apresentadores Rafael Beling e Thiago Amado, os organizadores contam detalhes da edição 2008 do festival.

O programa vai ao ar nesta quarta-feira às 22 horas com reprise no sábado, 15 horas. Se você não mora em Rio do Sul, escute o programa através do link da rádio Unidavi.

Escute

www.unidavi.edu.br
www.fotolog.com/programaradiobar

Anúncios

Tschumistock 2008: site oficial já está no ar

novembro 3, 2008

Legal!

O Tschumistock, que acontecerá entre os dias 14 e 16 de novembro lá em Rio do Sul (Alto Vale Catarinense), já tem seu site oficial. Em formato de blog, notícias diárias e também links com informações sobre o festival, o site é uma boa pedida para quem quer conhecer um pouco mais sobre o Tschumistock. Aqui em Mundo47 também estaremos fazendo uma baita cobertura deste evento, um dos mais importantes da cena independente de SC. 

Acesse: http://www.tschumistock.com.br/blog/

Sai escalação oficial do Tschumistock 2008

outubro 4, 2008

Euthanasia, em turnê de despedida, volta para o dizer “valeu” ao Tschumi

Rafael Tschumi, pai e organizador do Tschumistock,  em sua coluna por e-mail, Fermata, divulgou nesta sexta-feira a escalação oficial do Tschumistock 2008, que acontecerá em Rio do Sul, Santa Catarina no mês de novembro.

A galera do Mamado´s recebeu muito material e passou o festival de 25 para 30 bandas no final de semana rock. A escalação deste ano é muito boa, uma das melhores dos últimos anos e traz bandas novas que estão fazendo muito sucesso no meio independente e também bandas consolidadas, algumas de fora e também sempre a promoção das bandas locais.  Confira a lista:

Lista oficial Tschumistock 2008

Apicultores Clandestinos

Rio do Sul

Califaliza

São José

Costeletas

Rio do Sul

Cummings

Brusque

Dark Whisper

Lages

Dissonantes

Curitiba

Dramaphones

Rio do Sul

Euthanásia

Florianopolis

Fevereiro da Silva

Joinville

Flesh Grinder

Joinville

Full Gas

Rio do Sul

Gangrena Inc

Criciúma

Karadura Blues Brother

Joinville

Lenzi Brothers

Balneário Cam

Liss

Rio do Sul

Musicbox Superhero

Floripa

Ninguém Sabe

Itajaí

Old Machine

Joinville

Os Impostores

Rio do Sul

Parachamas

Blumenau

Reino Fungi

Joinville

Rhestus

Timbó

Six Six The Clawn

Rio do Sul

Sodamned

Rio do Sul

Songbook

Rio do Sul

The Headcutters

Balneário

The Lords

Florianópolis

Ursulla

Joinville

VIII Pecado

Rio do Sul

Vince

Rio do Sul

 

Outra novidade deste ano é o Tschumistock Pre-Sound. A idéia dos organizadores é interagir o festival com a comunidade de Rio do Sul, portando no dia 8 de novembro, uma semana antes, na praça Emembergo Pellizzetti, bem no centro da cidade, acontecerá uma espécie de esquenta com bandas que também irão tocar no Tschumistock na semana seguinte.

Rio do Sul vai ferver em novembro no Tschumistock, um dos festivais mais antigos de Santa Catarina, organizado ao ar livre, num sítio distante da cidade, bem ao clima Woodstock. Desde 1998 ele tomou proporções maiores e a galera que organiza, se preocupou em oferecer principalmente segurança, infra-estrutua de bar, cozinha, banheiros, além de palco coberto, chuveiros, área ampla para camping, iluminação, lagoa para banho, trilhas e claro, rock and roll. Mesmo com muitas dificuldades, todo ano o festival sai e graças ao empenho da galera local, o Festival acontece e é referência para todo o país, pois muitas bandas querem vir e sentir esse clima “Woodstock”.

Sobre as bandas selecionadas este ano, como disse, foram muito bem selecionadas, pelos menos a maioria é de conhecimento aqui do Mundo47. Algumas delas, principalmente as locais, não passaram ainda pelas nossas páginas, mas em breve vamos atrás destes perdidos. O Tschumi também contempla outros estilos do rock, como o metal, punk, hardcore, não somente rock clássico ou indie rock.

Saiba mais sobre o festival:

Orkut

Site Oficial

Tschumistock apresenta desenho oficial deste ano

setembro 22, 2008

O Tschumistock, que acontece todos os anos em Rio do Sul, também é uma vitrine para trabalhos artísticos do underground local. Durante algum tempo, os desenhistas Marcelo Fronza e Alejandre Oliveira, se revezaram na responsabilidade de fazerem os desenhos mais pirados do festival. De uns tempos para cá, a organização abriu maior espaço e durante algum tempo, vem recebendo além do material das bandas, desenhos de vários artistas, candidatos a serem tema do evento. O desenho escolhido vai para a estampa de mais de 300 camisetas, folders, site e outros. 

O desenho acima é assinado pelo desenhista Fabinho e será tema do ano de 2008. Segundo a organização, os traços nãos são tão convencionais dos desenhos já usuais no festival, mas teve pontos a favor pelo movimento e jovialidade.  A assessoria do festival divulga também que o site entra no ar nesta semana, com novidades sobre a estrutura e a divulgação das atrações de 2008. 

 


YouTube: abertura do show dos Pistoleiros

setembro 1, 2008

Me arrisquei como videomaker, apesar de no sábado uma porrada deles estarem lá com suas respectivas câmeras, mas não pude deixar de registrar a primeira música do show. Tem mais uma no meu arquivo que vou colocar ainda hoje ou amanhã.

No vídeo acima, “Bufalo 2008” e “Pouca Coisa”

Youtube: Lollapaloza 2008 com Wilco

agosto 18, 2008

O Lollapaloza 2008 rolou com uma excelente apresentação do Wilco, banda predileta do Barack Obama e minha também. Quando descobri o som desses caras em 1998 eu não parei mais de ouvir Wilco e agora com a turnê de Sky Blue Sky, de 2007, a banda mostra cada vez qualidade nas composições e também nas suas apresentações ao vivo. Confira no YouTube “A melhor televisão do mundo”, segundo Rafael Weiss – parte da apresentação do Wilco no famoso festival.

Apresentação antológica do Variantes no Psicodália 2008

agosto 12, 2008

A Variantes é uma das grandes bandas catarinas que vem fazendo e acontecendo legal. Mesmo estando lá no Oeste e um pouco em Porto Alegre, os piás estão zanzando pelo Estado e fora dele, divulgando seu primeiro disco, excelente por sinal. Como toda banda boa, apresentações antológicas são corriqueiras e graças a alguém (não sei quem), o registro acima no festival Psicodália, que acontece há dois anos em São Martinho, Sul de Santa Catarina.

Summercase 2008: O festival indie dos espanhóis

julho 23, 2008

Jr. ficou até de boca aberta ao curtir o Summercase no meio da galera

 

Como prometido, o texto do Júnior Sofiati, fiel escudeiro do rock catarina que habita na Espanha, mais precisamente em Madrid. Ele esteve no Summercase 2008 e conta pra gente um pouco de como foi o festival e os principais shows.

18/07 – Dia 1:

 

Dia abrasador na capital espanhola, ou seja, daqueles dias que só pensas em estar numa piscina ou metido dentro de algum lugar com ar-condicionado, mas este já não era meu caso. Me dirijo à Boadilla del Monte, cidade localizada ao sudoeste da região metropolitana de Madrid, onde por terceira vez consecutiva é realizado o Summercase Festival.

 

Tudo ia às mil maravilhas pelo caminho, até chegar na nova linha de metrô que vai de Madrid à Boadilla, coisa que ano passado quando fui ao mesmo festival não havía, só ônibus. Sério, aquele metrô parecia que tirava sarro das pessoas que estavam dentro quase morrendo sufocadas, de tão devagar que ia em certas partes do trajeto. Depois de finalmente baixar e ter esse atraso inesperado, chego em frente à entrada pouco antes das 21hs e já havía perdido The Breeders, porque começaram às 20:15, uma pena, mas de certeza que voltarão ano que vem para Madrid.

 

Entro e já de cara me dirijo ao palco onde estavam tocando The Stranglers, acabavam de começar a primeira música. Aliás, nota 10 para a organização pela pontualidade dos shows, não vi banda nenhuma atrasar mais de 5 minutos. E a tal primeira música era nada mais nada menos que “Skin Deep”, e logo de depois, sem nem darem tempo para piscar os olhos, começam “Peaches”. O show inteiro uma música atrás da outra, como um bombardeio. Foram realmente incríveis, até mais do que esperava. Os pontos altos para mim foram: Duchees, Something Better Change, Walk on By, No More Heroes, Strange Little Girl, Always the Sun e Golden Brown. Posso dizer que dos shows que vi de bandas que estão voltando, esse foi um dos melhores, realmente voltei no tempo, e exatamente aos anos 80. Geralmente muita gente discrimina e fala mal das bandas velhas que voltam, o que acho ridículo. Porque se pensas, quando na minha vida poderia ter visto uma banda como Stranglers? Então penso, melhor ver eles velhos, e talvez com a banda incompleta do que não ver-los nunca.

 

Depois de viajar pelos anos 80, fui para o palco onde já estavam tocando algum tempinho os Kings of Leon. Os dois shows “mais ou menos” coincidiram nos horários, Stranglers começou as 21hs, e Kings of Leon as 21:35. Como Stranglers é uma banda mais velha, e com menos chance de voltarem à Madrid, preferi ver o show inteiro e perder o começo do Kings of Leon, já que são uma banda mais nova e com muito mais chances de voltarem logo.

Cheguei pouco antes da metade do show, eram palcos meio distantes um do outro, e além de serem muitas pessoas circulando, sempre entre um show e outro entra aquela vontade de molhar a garganta. Já pego de cara eles tocando Fans, do último disco Because of the Times, que dos 3 discos é o que menos gosto, mas mesmo assim não deixa de ser um puta disco. Logo tocam uma mais baladinha, chamada Arizona, e depois para levantar um pouco os ânimos, detonam Camaro, ambas também do Because of the Times. Parece que cheguei na “parte do último disco”. Saindo um pouco do terceiro disco, tocam King of the Rodeo e Slow Night, So Long, ambas do segundo disco Aha Shake Heartbreak. Não sei se foi impressão minha, mas parece que os caras dividem a sequência de músicas por disco, quase sempre tocavam duas ou três seguidas do mesmo disco. Meu disco favorito deles, disparado, é o primeiro, e já fiquei feliz só de ouvir Red Morning Light, Wasted Time, Joe´s Head e Molly´s Chambers. Resumindo, um show perfeito onde muitas vezes parecia que o disco dos caras estava rolando ali mesmo, de tão bem tocado. O único defeito do show foi a presença de palco, realmente faltou um pouco, mas não fez perder o encanto do show.

 

Acabando o Kings of Leon, outra vez troca de palco, fui dar uma olhada no show do CSS, banda que pessoalmente não sou muito fã, gosto de 2 ou 3 músicas e nada mais. Não porque considero a banda ruim, pelo contrário, considero uma boa banda, mas realmente não é o meu tipo de música. Mas como nesse caso o meu gosto não contava muito, por terem outras pessoas comigo que queriam muito ver, fui dar uma conferida. E tenho que reconhecer que a banda merece o seu respeito. É só ver resposta do público em “cada” música durante o show, acredito que todas as pessoas com um mínimo de bom senso concordariam comigo. São realmente “adorados” na Europa, sem dúvida alguma. Cheguei quando tocavam Off the Hook, a melhor deles na minha opinião.

 

Logo depois de ver pouco mais de meia hora do show do CSS, fui me aproximando do palco onde tocariam os Sex Pistols. Entram os “old punks” e de primeira detonam Pretty Vacant, e nessa hora o Summercase veio quase abaixo. O cômico foi a presença em massa dos punks espanhóis. Quando digo punk, não me refiro às pessoas que somente curtem a música (eu por exemplo “amo” a música punk, mas não sou nem nunca fui um deles), e sim punks com moicanos e roupas rasgadas, muitos deles com certeza “punks de boutique”, porque hoje em dia é mais moda que outra coisa. Bom, e os velhos punks continuam o set list com: Problems, Bodies, Liar, No Feelings, Steppin´Stone, Holidays In The Sun, EMI, Submission, No Feelings, God Save the Queen e fecharam com Anarchy in the UK, ou seja, tocaram o Nevermind the Bollocks quase inteiro. Tocaram outras mais que agora não me lembro, mas o que fiquei triste foi por não tocarem Silly Thing, uma das minhas favoritas. Sem dúvida outro grande show que pode ser considerado entre os melhores de todo o festival. O que me impressionou foi a “simpatia” do Johnny Rotten, que costuma ser rude e grosseiro com o público, nessa noite estava mais que simpático. Brincando com o público, fazendo perguntas sobre o que as pessoas achavam do EUA no Iraque, esse tipo de coisa. E o que me assustou foi ver o Steve Jones mais que inchado, sério, parece que o sujeito ía explodir. Já o Glen Mattlock e o Paul Cook continuam os mesmo magrelos de sempre, só que com rugas.

 

Depois de ver um show desses só me restava estar mais do que feliz por ter incluído no currículo de shows outra banda clássica que ouvia desde moleque.

Bom, como já estava contente com a noite, me dava igual que banda ver naquele momento, então fui ver Kaiser Chiefs. Essa banda faz um tremendo sucesso na terra das touradas. Vi eles ano passado no mesmo festival, não é uma banda que gosto muito, se toca em alguma festa, está bem, mas não é o tipo de banda que baixaría ou compraría algo. O que posso dizer do show deles é que é um show muito divertido, com muita interação com o público e são todos ótimos músicos, sem contar a produção, de primeira. Fiquei impresionado (ano passado e ainda mais esse ano) como as pessoas gostam e sabem todas as músicas deles, sem dúvida fazem mais sucesso aquí do que no Brasil.

 

E para encerrar a noite, a banda espanhola Los Planetas. Em todo o festival não vi mais nenhuma banda espanhola depois deles, ou por coincidir com outras coisas que queria ver, ou por serem muito cedo, e cheguei ambos dias perto das 21hs, senão ninguém aguenta.

 

Tinha ouvido falar muito nessa banda Los Planetas, através dos amigos da minha ex-banda aquí na Espanha, No Aloha. Sempre falavam muito bem, que são muito adorados por aquí, e foram adorados ainda mais nos anos 90. Mas sinceramente, depois de ouvir tantos bons comentários, posso dizer que tive uma grande decepção. Eles fazem um tipo de indie pop que no meu conceito só posso chamar de uma coisa: chata, parada, com letras ainda mais chatas e sem sentido, ou seja, música para boi dormir. Tentam ainda misturar umas coisas eletrônicas para tentarem serem modernos, mas sem sucesso. Tudo que acabo de comentar sobre essa banda é somente o meu ponto de vista. Porque acredito que o ponto de vista dos espanhóis não era o mesmo. Realmente o que me falavam era verdade. Nesse show se pôde ver como pessoas daqui adoram eles, cantando todas as músicas. E à medida que o show seguia, as pessoas se entregavam ainda mais. Como em mim o “efeito” dos Los Planetas não funcionava, só me restou ir embora, também já bastava, depois de mais de 8hs de música no máximo volume, só queria descansar.

 

19/07 – Dia 2:

 

Segundo dia fazendo ainda mais calor que o primeiro, mas pelo menos a viagem de casa à Boadilla del Monte foi mais curta. Dessa vez escolhi a mesma opção do ano passado, o bom e velho busão, e o melhor, com ar-acondicionado.

 

Bom, agora voltando ao rock and roll. Cheguei mais ou menos na metade do show da Grinderman, a banda paralela do Nick Cave. Não conhecia nem nunca tinha ouvido falar (desculpe a minha ignorância) que o Nick Cave tinha uma banda paralela. Somente sabia que de vez em quando participa em discos de muitos artistas. Realmente a banda me impressionou muito, mas não pela música em si, senão pela presença de palco e pela barulheira que os caras fazem em cima do palco, para deixar surdo qualquer amante dos altos volumes. O tipo de música não fazia muito meu estilo, mas em geral não estava mal. Também é um pouco difícil comentar sobre uma banda que não conheces.

 

Saí um pouco antes de terminar o show para pegar um lugar legal para ver a Blondie, e valeu a pena, porque fiquei bem perto. Para não mudar muito o esquema, começam no horario, e abrem com a bela canção Hanging On The Telephone. Sério, aquele arrepio foi subindo dos pés à cabeça, realmente um show que emociona qualquer fã da música dos anos 80, especialmente fãs do New Wave como eu. E foi continuando assim, uma atrás fa outra, sem falarem muito entre as canções. De segunda mandaram One Way Or Another, e logo depois o grande hit Heart of Glass, música que fez a banda famosa no fim dos anos 70. As músicas que lembro são: The Tide Is High, Picture This, Union City Blue, Dreaming, I´m Always Touched By Your (Presence Dear), Brite Side, Rapture, Sunday Girl, a incrível Call Me (a melhor música deles na minha opinião), e fecharam com Rip Her To Shreds, com a galera fazendo coro naquele tão famoso riff de guitarra. Resumindo: melhor show de todo o festival.

 

A banda em sí é um pouco “morta” no palco, mas a Debbie Harry detona, a mulher pode estar com seus cinquenta e tantos, mas ainda pula e dança muito bem. Depois de já estar satisfeito com um showzasso e ver a “tia” Debbie Harry frente a frente, me dirijo ao palco onde já estavam tocando Interpol.

Já tinha ouvido muito falar dessa banda, mas nunca parei para ouvir com atenção. Apesar de não conhecer a banda gostei do show. Em alguns momentos estava um pouco monótono, não gostei de todas as músicas, mas no geral foi interessante assistir-los. Também é uma banda muito parada no palco, coisa que não gosto muito, mas que é muito comum ver em bandas de indie rock.

 

Acabando o show, rolou aquele tempo para dar uma descansada e tomar algo, para logo depois ver The Verve. Essa banda para mim é mais ou menos como o Interpol, conheço pouco mais de 2 músicas. Outro show interessante de se ver, mas nada que me fez mover o corpo. Vi a metade do show, e já fui embora por não aguentar mais “baladinhas”. Gosto de muitas baladas, mas num festival onde se vê 5 ou 6 shows numa noite, e ainda mais depois de ver Blondie, não rola muito astral para ficar num show de música lenta.

Mas ambas bandas estão de parabéns pela produção do show, com vídeos de fundo, gráficos e luzes muito bem programadas.

 

Como o show do The Verve não animava muito, fomos a ver uma banda japonesa chamada Cornelius. Conheci nesse mesmo fim de semana, através do meu amigo sul-africano Rob, que me acompanhou ao festival. Ele gosta de muita coisa eletrônica, por isso já estava achando que iria ver uns japoneses tocando techno. Que nada! Foi a revelação desse ano do festival, como ano passado foram os Guillemots. Fiquei realmente de cara com a performance dos “japas”. Musicas loucas de verdade, misturando eletrônico, rock and roll e punk. Algumas músicas pareciam músicas de comerciais de TV, muito cômicas.

 

Outra banda que se destaca pela produção. O próprio vocalista, além de compôr todas as músicas, fica controlando os vídeos de fundo ali mesmo, na raça, sem programação nenhuma. Os japoneses são incríveis mesmo, tenho que reconhecer. Logo depois dessa “boa loucura japonesa”, fui dar outra vez aquela descansada, porque ainda estava acabado do dia anterior. Depois de recuperar as forças, fui para o último show (para mim) do festival, Primal Scream. Grande show, para não ficar parado. Conheço pouca coisa deles, mas realmente não parei um segundo. Depois desse show cheguei à conclusão que tenho que prestar mais atenção nessa banda. E para não ficar atrás, também não economizam na produção. Excelente banda, excelente show, excelentes músicos. Banda perfeita para fechar a noite, e o festival. Depois desse show me rendi, e só queria chegar em casa, ainda mais sabendo que tinha quase uma hora de viagem de volta pela frente. Bom, mais um festival na carteirinha, e segundo Summercase. Agora, vamos ver o que rola no ano que vem.

 

Junior Sofiati

Jesus and Mary Chain no Brasil em 2008

junho 18, 2008

Segundo Alexandre Matias, do blog Trabalho Sujo, o Jesus and Mary Chain pinta no Brasil ainda este ano. A data já confirmada é o 8 de novembro, em São Paulo, no Planeta Terra Festival. Portanto, hora de fazer aquela reserva financeira na sua conta bancária, pois vai ser choradeira do início ao fim!

ABESTA em três atos

junho 4, 2008

Duplinha de dois: na foto, Abesta se abestalhando no Bananada 2008

José Alberto Zimmer, líder mor dos esporros na Insecta Produções, manda boas novas de seu duo Abesta, em parceria com Suzuki Bata.

Ato 1: Bananada2008

No último dia 24 de maio, o duo d Harsh Noise catarinense ABESTA tocou pela primeira vez em Goiânia, no festival Bananada! A única banda representante do estado nesse que é um dos principais festivais independentes do país, fizeram bonito e agradaram geral! (aplaudidos por mais de 400 pessoas depois de 20 minutos de puro noise?!)
http://www.myspace.com/bananada
Ato 2: Tosco en Puerto Rico
O renomado selo de noise/extreme electronics SONORA (Porto Rico/St Juan & Eua/NY)  lança “TOSCO” – o mais recente trabalho de estúdio d’ABESTA!  Segundo o próprio site:


Brazil has a tradition of exporting some brutal music, especially in the death and back metal scenes, so it’s time the world knew  about their noise as well. Abesta is clearly the best example. Brothers Zimmer and Bata have been dishing out the harsh blast  for a few years now, but I only came to hear about them in 2007. “Tosco” is their debut for Sonora and it encompasses the brutal energy of classic harsh noise.

http://www.noisexrecords.com/sonora/

Coisa Fina!!!

Ato 3: vamos à Bototá?

Está sendo organizado o Festival Latino-Americano de Noise, a ser realizado final de agosto, em Bogotá/Colombia. E que vai representar o Brasil? Sim, os manezinhos d’ABESTA! Mais informações em breve…

Conheça Abesta
ZIMMER + SUZUKI BATA = ABESTA
—————————————————
http://www.myspace.com/abestanoise

Paul live at Liverpool

junho 3, 2008

Então. Neste fim de semana, Paul McCartney fez um belíssimo show no Liverpool Stadium. O vídeo de  A Day in The Life/Give Peace a Chance, mostra que o lance foi emoção pura!

Sir Paul McCartney in Liverpool

junho 2, 2008

Paul tocando em casa é como Pelé jogando na Vila

Ele está de volta, cada vez mais maduro, cada vez venerado e mandando muito bem ainda no palco. Sir Paul McCartney retornou à sua Liverpool para um grande show nas comemorações da promoção que a cidade é a capital européia da Cultura em 2008. No ínicio do ano, os liverpolidianos já assistiram a uma apresentação de Ringo Starr, e neste findi, foi a vez de Paul lotar o estádio do Liverpool F. C.

 

Documentário sobre Rural Rock em formato DVD

maio 20, 2008

Depois do lançamento em DVD, o vídeo segue pro Youtube

Um golaço dos rapazes do Da Caverna é a competência na organização do excelente Rural Rock Fest. O evento de 2008, os irmãos do barulho de São José chamaram o figura Antonio Rossa, do blog Transitoriamente, para o registro da história. O rapazi filmou e editou tudim, mó trampo, mas que segundo fontes (eu não vi a bagaça ainda) ficou supimpa o negócio (eita).

A novidade é que o documentário vai pra fita, ou melhor, vai pro CDzinho da tecnologia DVD. Magavilha, pois agora tu poderás ver no conforto da sua casa o filme de Rossa sobre um pouco da cena wrock de Santa Catarina. Confira a capinha caprichada que estará embrulhada o DVD. Rossa mandou também uma foto pessoal sua, mas como ele é muito feio, ficou de fora.

Piadas à parte, o vídeo de Rossa é mais um importante registro de outros que rolaram sobre a cena rock catarina. De cabeça lembro dos vídeos do meus colegas de jornalismo wrock, Flávio Roberto de Oliveira, que filmou o “Anti Herói Barriga Verde”, com depoimentos legais sobre as bandas da cena independente, o filme de Gustavo Moura, da Stuart, que conta a história do mitológico bar 47 Curupira Rock Club e enfim, o vídeo que eu fiz em 2001 sobre o Tschumistock, um dos mais tradicionais festivais ao ar livre do Estado. Cada vez mais a produção de docs sobre rock em SC está sendo fortalecida, é isso ai gurizada!

EXCLUSIVO!!! Red Album, novo disco do Weezer

maio 15, 2008

Aproveitem o link, pois este é Red Album, novo disco do Weezer que seria lançado no final de junho, foi antecipado alguns dias, mas somente aqui em MUNDO47 você ouve antes Red Album.

Uma alma muito boa teve acesso e me passou o link, que pode expirar em alguns dias, vale aproveitar e ouvir antes o que o mundo todo irá ouvir daqui há uns dias.

São oito faixas, sendo que uma delas não é cantada por Rivers Cuomo. No arquivo também tem Pork and Beans, liberada há alguns dias na página oficial do Weezer.

Baixe o Red Album

Paul e Ringo juntos em 2008

maio 6, 2008

“Pelamordedeus”!!! Eu quero ir pra Liverpool este ano!!! Alguém me patrocina ae! Sou um jornalista fudido e mal pago, me ajudem! hehehehehe

A notícia já havia sido ventilada um tempo atrás, mas está perto mesmo de acontecer. Em Liverpool, terra dos fabfour, Ringo Starr e Paul McCartney, sobreviventes da maior banda de rock de todos os tempos, os Beatles, poderão tocar juntos novamente.

Os ex-beatles devem tocar no Liverpool SoundCity, evento organizado pela Prefeitura da cidade para celebrar o título de Capital Européia da Cultura 2008. Segundo um jornal britânico “Daily Star”, uma fonte disse que há a sensação de que o encontro poderá ocorrer, após a prefeitura da cidade inglesa, que é a terra-natal dos Beatles, ter pago aos representantes de McCartney um cachê de US$ 3,4 milhões pelo megashow aberto.  

As apresentações do SoundCity estão marcadas entre os dias 27 e 30 de maio próximos em vários locais de Liverpool.

 

Lollapalooza 2008 com Rage Against Machine e Wilco

abril 7, 2008

Guerrelheiros voltam a tocar no Lollapalooza em Chicago

É definitivamente o festival dos sonhos. Se eu tivesse hoje uns 5 mil nas mãos, não pensava duas vezes antes de embarcar para Chicago para ver o Lollapalooza que neste ano traz Rage Against Machine, Wilco, Radiohead, Nine Inch Nails, The Raconteurs (que to ouvindo neste momento) e os brasileiros do CSS ou Cansei de Ser Sexy, como eles não gostam de ser chamados.

O Lollapalooza foi criado no início dos anos 1990 e já teve grandes, clássicos shows registrados. Neste ano o festival acontecerá entre os dias 1º e 3 de agosto em Chicago, terra do Wilco. O Lollapalooza foi idealizado pelo ex-vocalista Jane’s Addiction, Perry Farrell, e inclui, além de shows, performances de comédia e outras atrações paralelas. Essa será a 12ª edição, sem contar o festival de 2004, cancelado após vendas baixas de ingressos.

 

Saiba quem tocará em 2008

Radiohead, Rage Against the Machine, Wilco, The Raconteurs, Nine Inch Nails, Kanye West, Mark Ronson, Cat Power, Gnarls Barkley, Bloc Party, Girl Talk, Cansei de Ser Sexy, Battles, The Black Keys,  
Broken Social Scene, The National, G. Love & Special Sauce, Sharon Jones & the Dap-Kings, The Go! Team, Mason Jennings, The Gutter Twins, Yeasayer, Grizzly Bear, MGMT, Explosions in the Sky,  
Brand New, Gogol Bordello, Stephen Malkmus & The Jicks, Dierks Bentley, Okkervil River,
Amadou & Mariam, Blues Traveler, John Butler Trio, Love and Rockets, Flogging Molly, Jamie Lidell
Butch Walker, Mates of State, Spank Rock, Brazilian Girls, Chromeo, Duffy, The Kills, Rogue Wave,  
The Weakerthans, Booka Shade, Santogold, Black Kids, Black Lips, Louis XIV, Dr. Dog, Nicole Atkins & the Sea, Cadence Weapon , Ferras, De Novo Dahl, Noah and the Whale, Margot & the Nuclear So and So’s, N’NAAN, Serena Ryder , Newton Faulkner , Your Vegas, Eli “Paperboy” Reed & The True Loves
Steel Train, Bang Camaro, The Blakes, Tally Hall, White Lies, The Ting Tings, Kid Sister, Office,  
The Cool Kids, What Made Milwaukee Famous , Does It Offend You, Yeah?, The Whigs,
Manchester Orchestra , Foals , Uffie , The Octopus Project , Magic Wands, Bald Eagle, Krista ,
Ha Ha Tonka , Witchcraft, Electric Touch,  Innerpartysystem, The Postelles, The Parlor Mob,  
We Go To 11, Sofia Talvik… Ufa!